Frete de caminhão: como determinar o valor adequado do serviço? - Blog Cavese Scania - Tudo sobre o seu caminhão
Frete de caminhão: como determinar o valor adequado do serviço?

O sucesso de uma empresa de transporte depende da gestão da frota, dos investimentos realizados e do reconhecimento pelo mercado. Além disso, é preciso cuidar atentamente da saúde financeira, que significa que é muito importante saber atribuir valor ao serviço prestado. Ou seja, calcular corretamente o frete de caminhão.

É preciso ter cuidado e conhecimento no momento do cálculo para manter a competitividade da empresa. Valores muito acima da média sem justificativa levarão os clientes a escolher outra prestadora. Já no caso inverso, cobrando-se uma quantia abaixo do ideal, o risco de prejuízo é grande.

Saber exatamente por quanto um deslocamento pode ser oferecido significa considerar todos os custos operacionais e obter lucro. O cálculo do preço de cada frete de caminhão pode trazer dúvidas e parecer complexo. Entenda melhor como fixar o valor do serviço e acertar na conta para garantir o rendimento esperado.

Tipos de frete de caminhão

É preciso lembrar que existe uma lei específica que trata da Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Carga. Recomenda-se que o cálculo do frete esteja de acordo com a tabela da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Além disso, não existe uma modalidade única de frete. Veja as principais:

Frete por volume de carga

Antigamente, a capacidade do caminhão não era totalmente explorada. Os caminhões trafegavam semi-vazios e o espaço ocioso gerava prejuízos (devido aos custos operacionais envolvidos). A partir da combinação das rotas, a carga complementar passou a vigorar, já que ela ocupa apenas uma parte do caminhão.

Na modalidade volume de carga, existe também o frete com carregamento completo. Nesse tipo de serviço, o caminhão é usado exclusivamente para o deslocamento de determinadas mercadorias. Geralmente, existem duas possibilidades: o volume dos objetos ocupa todo o espaço do caminhão ou o cliente exige a reserva total do veículo.

Frete por peso da carga

Basicamente, o frete por peso leva em consideração a capacidade do caminhão a partir das variáveis peso da carga e cubagem (volume em m3). No frete por peso, as cargas podem ser:

  • leves: não alcançam a metade do limite de peso, mas podem chegar à cubagem máxima (algodão, papel higiênico, fraldas etc.);
  • intermediárias: aproximam-se da cubagem limite, entretanto, não somam o total do peso de balança;
  • pesadas: atingem o peso máximo, mas não necessariamente preenchem toda a cubagem.

Frete por valor da carga

Calculado a partir do valor do produto transportado (apresentado em nota fiscal), o frete por valor considera, dentre outros aspectos, o risco de deslocamento. Geralmente, quanto mais industrializada for a mercadoria, maior será o seu valor. São três os fretes por valor agregado:

  • alto valor: baixo peso e alto custo (eletrônicos, roupas de grife, produtos farmacêuticos);
  • médio valor: peso e cubagem relativas e processo de industrialização de custo médio (alimentos, como feijão e arroz);
  • baixo valor: produtos com volume e peso variáveis e, geralmente, não industrializados (insumos e matérias-primas).

Frete por estrada

Esse tipo de frete considera um aspecto importante do deslocamento, ou seja, o solo e a região. O frete por estrada pode ser dividido em três elementos básicos: percurso em estrada pavimentada, trânsito em solo não pavimentado e fretes em estradas perigosas (gerenciamento de risco). Por vezes, pode ser que mais de um deles tenha que ser considerado. Em algumas ocasiões, o caminho pode ser híbrido e arriscado.

Esses são os modelos de frete de caminhão. Como você percebeu, o tipo de carga e a região percorrida são decisivos para o valor do serviço. Existem, ainda, outros fatores que precisam ser considerados para garantir a lucratividade do empreendimento.

Distância entre pontos

A distância percorrida entre o local de origem e o destino é determinante. A quantidade de quilômetros deve ser conhecida, afinal, quanto maior ela for, mais alto será o gasto com combustível e com a depreciação do veículo.

Junto à distância, está o tempo. O gerenciamento correto coloca na ponta do lápis as horas disponibilizadas, pois, só assim, é possível gerenciar a frota de modo preciso.

Custos fixos e variáveis

Para ter sucesso, não basta ter o caminhão. É necessário que ele esteja em perfeitas condições de rodagem e isso gera alguns custos:

  • manutenção preventiva e corretiva;
  • combustível;
  • licenciamento anual do veículo (licenciamento, IPVA, seguro obrigatório);
  • seguro veicular e da carga;
  • depreciação e taxa de vistoria do tacógrafo.

Também é preciso agregar ao valor do frete, os gastos com a empresa, tais como telefonia, internet, pagamento dos colaboradores, materiais de escritório, serviços de terceiros etc.

Impostos e taxas

Além das despesas com a empresa e com o caminhão, o cálculo correto acrescenta alguns impostos e taxas variáveis (de acordo com a política da empresa e o tipo de serviço). As principais são:

  • taxa de entrega e coleta;
  • diária (no caso de retenção do veículo pelo cliente);
  • taxa de reentrega (se necessário);
  • taxa de restrição de trânsito (TRT);
  • taxa de dificuldade na entrega (TDE);
  • valor mínimo de frete;
  • modal de transporte (utilização de balsas e outras integrações);
  • pedágios;
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Tamanho do caminhão e lucro

Fretes realizados por veículos maiores têm valor mais alto devido às despesas envolvidas e à carga transportada. Amplos limites de cubagem e peso possibilitam o transporte de grande capacidade, ao passo que também aumentam o custo da viagem.

Já o lucro — um dos objetivos finais — deve ser estabelecido cuidadosamente de acordo com os critérios descritos acima, com a orientação da empresa, com legislação e com a negociação entre as partes. Ele é o excedente daquilo que foi gasto na operação e a “recompensa” por todo o trabalho desenvolvido.

Cálculo do frete

São muitos os fatores que condicionam o preço final do trabalho. Com tantas coisas a considerar, o cálculo pode parecer impossível, mas isso não é verdade. Entenda melhor acompanhando o exemplo e não se esqueça de verificar quais itens devem estar inclusos antes de passar o valor para o cliente.

Imagine uma situação de frete mínimo com enquadramento de carga geral de acordo com tabela da ANTT. No exemplo, a carga será transportada por um caminhão com 3 eixos que percorrerá uma distância entre duas cidades de 685 km. De acordo com a tabela, a distância corresponde ao valor de R$ 0,96 (7ª linha). Multiplique o número de eixos pelo custo por km:

3 x 0,96 = 2,88 R$/Km

Agora, multiplique a distância pelo valor encontrado anteriormente:

685 x 2,88 = R$ 1.972,80

Verifique a necessidade de adicionar outros encargos (pedágios, taxa de risco, diária, reentrega etc.) e acrescente, ao valor, o lucro pretendido.

Ao realizar o cálculo, fique muito atento ao que deve ser incluído em cada operação. Como o transporte é a atividade-fim da empresa, é imprescindível que os valores informados aos clientes estejam corretos para evitar prejuízos. À primeira vista, pode parecer difícil não deixar escapar nada, mas basta ter calma, conhecimento, planejamento e atenção para estabelecer os valores.

Agora, você já sabe o que precisa sobre os tipos de frete de caminhão e o que deve ser considerado em cada cálculo. O que acha de comentar o post deixando a sua opinião e experiência com os fretes?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *