Consórcio de caminhão ou financiamento: qual a melhor opção? - Blog Cavese Scania - Tudo sobre o seu caminhão
Consórcio de caminhão ou financiamento: qual a melhor opção?

A lucratividade logística de uma empresa sempre se relacionará à sua eficiência operacional. Sendo assim, um desejo recorrente dos proprietários é a expansão de suas frotas, algo fundamental para o aumento da produtividade. Por isso, torna-se importante discutir as modalidades de aquisição. Afinal, qual é a melhor opção entre o financiamento e o consórcio de caminhões?

Elaboramos este conteúdo considerando esse dilema que assola boa parte dos consumidores. A seguir, você encontrará as principais características de ambas as modalidades, melhorando a sua tomada de decisão no momento da compra. Acompanhe!

As diferenças entre o financiamento e o consórcio de caminhões

A única semelhança entre os financiamentos e os consórcios está na garantia ao veículo. Após esse ponto de convergência, só existem diferenças. Aquisição, pagamento, retirada, prazos: tudo poderá mudar entre uma modalidade e a outra.

Destacamos abaixo as principais características da aquisição de um bem de alto valor, como os caminhões. Assim, você conseguirá visualizar qual é a alternativa mais adequada à necessidade e ao caixa da sua empresa. Confira!

O que são?

O financiamento é uma concessão de crédito, ou seja, o comprador contratará um empréstimo de uma instituição financeira, protagonizada por um banco, concessionária, cooperativa ou afins. A instituição que cedeu o crédito arcará com o pagamento do veículo, quitando-o imediatamente.

Por fim, o comprador terá o veículo registrado em seu nome, mas ainda lastreado ao CNPJ da instituição financeira, como uma maneira de garantir a quitação das parcelas. Para conquistar o melhor negócio possível, será fundamental que o financiamento conte com uma entrada significativa.

O consórcio, em contrapartida, consiste em uma modalidade de autofinanciamento, sem contrair crédito de terceiros. Essa modalidade funciona por meio de assembleias de consorciados — os compradores — que contribuem mensalmente para conseguir a contemplação de suas cartas de crédito.

A contemplação ocorre de diversas maneiras, sendo as mais populares: o sorteio geral e os diferentes lances — livre, fixo e embutido. Trata-se de uma modalidade bastante inclusiva, pois ao descartar o fator do empréstimo, diminuem-se as burocracias necessárias à aquisição.

Quais são as taxas?

O financiamento é a alternativa mais pesada nesse critério. Como em qualquer empréstimo, existirão juros. Na realidade, esses juros variam drasticamente de uma instituição financeira a outra. Além disso, os juros também sofrerão influência do score, status de bom/mau pagador e histórico do consumidor, assim como também aumentarão em função do valor financiado.

Por isso, quanto maior a entrada, menores os juros. Tratando-se de um financiamento CDC (Crédito Direto ao Consumidor), poderão existir também as taxas para confecção do cadastro e demais peculiaridades.

Já em um financiamento voltado às empresas, as taxas poderão flutuar de acordo com o tamanho da companhia, em que somam-se a Taxa Fixa do BNDES, a Taxa de Longo Prazo, a Taxa Selic, entre outras.

Aqui, o consórcio se consagra como uma excelente opção. Lembra-se que ele dispensa o empréstimo? Pois então, com isso excluem-se as taxas de juros, reduzindo significativamente o CET — Custo Efetivo Total.

A única taxa existente em um consórcio será referente à remuneração da empresa administradora, responsável pela mediação, sorteio e contemplação dos consorciados. Ainda assim, essa singela taxa de administração é consideravelmente menor se comparada aos juros do financiamento.

Quais são os prazos?

Esse é outro critério que pesa contra o financiamento. Apesar dessa modalidade suportar prazos de até 120 meses, é importante entender que o número de parcelas influencia negativamente no Custo Efetivo Total, aumentando-o para muito além do valor original do veículo.

Portanto, se mal planejado, o financiamento acabará sendo uma modalidade asfixiante no curto prazo, devido às parcelas muito altas, e no longo, em função do enorme sobrevalor.

Dessa maneira, o consórcio se destaca mais uma vez. Em geral, a modalidade limita o prazo a 100 meses de contribuição, que não implicará em um CET agressivo justamente por não existirem juros para agigantar esse débito.

Como é feita a escolha do veículo?

Contando o placar desde as taxas, marcamos agora 3 a 0 para os consórcios! Isso acontece porque o financiamento restringe o consumidor à escolha do momento da aquisição. Isto é, você se deslocará até a concessionária, escolherá um veículo e financiará suas condições de compra em função do valor do bem selecionado.

Por outro lado, o consórcio não é uma compra imediata. Você contrata a modalidade antes mesmo de escolher o modelo desejado. Dessa maneira, você financiará uma carta de crédito no valor do bem. Apenas mediante contemplação você se deslocará até uma loja, escolherá o modelo e o quitará com a carta.

Qual é o tempo de retirada?

Finalmente, uma vitória ao financiamento! Essa modalidade tem caráter imediatista, podendo retirar o caminhão no momento da compra — ou mediante o breve prazo para que ele chegue até a loja.

Por isso, o consórcio perde nesse aspecto. Afinal, o prazo para a retirada do veículo poderá variar — e muito! Fatores que interferem nessa demora são a sua sorte — em ser contemplado antecipadamente — e o seu bolso — aplicando lances maiores durante as assembleias, em uma tentativa de ser contemplado pelo lance mais alto.

A opção mais adequada

Como você pôde ver, as modalidades divergem drasticamente. No entanto, nós entendemos que existem casos e casos, na medida em que o financiamento poderá ser a alternativa adequada à sua empresa. Sendo assim, elaboramos um breve descritivo aos consumidores que mais se adaptam às diferentes opções. Entenda!

O financiamento

Essa modalidade é ideal para os profissionais e/ou empresas que não podem se dar ao luxo de esperar, pois precisam retirar o veículo imediatamente. Além disso, a modalidade também pode ser vantajosa caso a parte compradora possua um valor substancial para sinalizar como entrada, garantindo taxas e parcelas menores.

O consórcio

Essa modalidade prioriza aqueles que, temporariamente, podem continuar operando sem uma nova unidade na frota, mas que gostariam de expandi-la futuramente. Desse modo, conseguirão um Custo Efetivo Total muito próximo do valor original do veículo, quitando as parcelas aos poucos com contribuições mensais e, quando conveniente, realizando lances maiores que poderão ser revertidos em uma contemplação antecipada.

Após esse mergulho entres as modalidades de aquisição, você já se sente seguro para escolher entre o financiamento e o consórcio de caminhões? Então, não perca a oportunidade de entrar em contato conosco para realizar cotações, sanar suas curiosidades e adquirir mais um caminhão para sua frota com o melhor custo possível. Para fazer isso, basta acessar a nossa página de contato!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *